30 de set de 2011

A Explosão de cores de Klimt



Gustav Klimt: Pintor austríaco do movimento do Simbolismo e também da Art Noveau
Para que possam melhor identificar quem foi Klimt, lhes proponho a observação de algumas de suas obras...


Nuda Veritas, 1889



Judith I, 1901



Portrait of Emilie Fröge, 1902



Hope I, 1903

( Essa é a minha pintura favorita da obra de Klimt, mostra uma fragilidade que nos entristece e uma beleza assombrosa, reluzente e ao mesmo tempo sombria. No filme "A Outra" de Woody Allen que aliás é ótimo, a personagem de Mia Farrow aparece sentada num Antiquário observando a figura dessa mulher grávida tão misteriosa que aparece no quadro de Klimt, no filme Mia diz que ao observar aquela mulher sentia muita tristeza, talvez fosse porque ela como a pintura também estava "á espera" de uma vida, o que de uma certa forma a tornava frágil e deprimida )




The Three Ages of Woman, 1905

( Passado os nove meses de angústia a novidade da felicidade acalma as angústias, Klimt sabia muito bem como retratar a alma da mulher nos seus diferentes estágios da vida, principalmente na época mais intrigante que é a maternidade )



The Three Ages of Woman, detail, 1905
( Foco na serenidade materna )



Water Serpents II, detail, 1904

( O convívio com tantas mulheres distintas deu a Klimt facilidade para retratar as formas mais instigantes do corpo de uma mulher )




Danae, 1907
( Provavelmente mais um retrato inspirado em uma de suas amantes )



The Kiss, 1907
( O mais famoso quadro de Klimt, " O Beijo " )



The Kiss, detail, 1907
( Tudo é tão florido, tão colorido, tão feminino. Como não amar...??? )




Portrait of Mäda Primavesi, 1912



Adam and Eve, 1917



The Maiden, 1913



Death and Life, 1916
( A sempre presente e incomoda dualidade num mesmo espaço de Vida e Morte )



 The Black Feather Hat, 1910



The Girlfriends, 1916
( Numa época menos "liberal" Klimt retrata a homossexualidade de maneira muito delicada )



Damenbildnis, Ritratto di Signora, 1916




É permitido fumar...Jane Birkin








Street Style...



Em comum: o gosto pelo velho cinto marrom












29 de set de 2011

Scoop - O grande furo





Woody Allen perdeu o timing. Scoop - O Grande Furo (Scoop, 2006) está entre as comédias mais fracas de sua safra recente - idéias medianas mal executadas, dramaturgia frouxa, ritmo atravancado pela inserção de piadas textuais demais.
Em dois aspectos, porém, Allen permanece genial: os nomes que inventa para os personagens e a maneira como filma as mulheres.
Scarlett Johansson é como se fosse uma Diane Keaton, uma Mia Farrow, a musa da vez. Na comédia ela interpreta Sondra Pransky, uma estudante de jornalismo estadunidense que está morando em Londres. É o estereótipo da nerd cabeça-de-vento: óculos que escorregam pelo nariz, cabelo preso com elástico, roupas largadas, braços caídos junto ao corpo, jeito deslumbrado de falar. Scarlett como Sondra, vista a três passos de distância, é o avesso de um objeto de desejo. Mas é só a câmera de Allen se aproximar...


Esteta da palavra, Woody Allen mostra, em uma tomada, que ainda consegue ser um cineasta, um artista da imagem. Ele enxerga e desnuda o que há de mais erótico no recato da atriz. E Scarlett, em contrapartida, já à vontade no bombardeio de diálogos dos filmes dele, atua com o descompromisso que a situação pede. Ela finge que não é gostosa, Allen faz de conta que a enfeia. Nesse acordo quem sai ganhando é a atriz que cada vez mais está melhor em suas performances cinematográficas.


* Omelete














Mais uma comédia com suspense de Allen que descamba em alguns clichês dele mesmo, mas que vale á pena ver, já que cinema também é entretenimento.  Scoop pode não ser o Grande Furo da carreira de Allen, mas é mais um filme que consegue provocar no espectador o "riso"......ou não?


Dica de penteado: The Fun Bun































Um coque feito de maneira despretensiosa que fica muito chique pra qualquer ocasião ou lugar... 



Red Lips and Eyebrow Marked